Dicas rápidas de instalação da bomba pneumática de diafragma

Dicas rápidas de instalação da bomba pneumática de diafragma

 

No post de hoje, preparamos algumas dicas incríveis para a instalação da sua bomba pneumática de diafragma, de forma a reduzir o tempo de inatividade e prevenir alguns danos. Embora essas bombas sejam conhecidas pela sua versatilidade e durabilidade, é necessário que seja feita a instalação e manutenção adequadas.

 

Pensando em te ajudar a aumentar a vida útil e a produtividade da sua bomba, trouxemos essas dicas de instalação indispensáveis. Veja a seguir!

 

Escolha a posição correta da sua bomba

 

A posição da bomba é um fator determinante para que ela entregue a produtividade e a durabilidade esperada. Para isso, é necessário se manter atento à alguns fatores fundamentais, que são:

 

  • Elevação de sucção: as bombas pneumáticas de diafragmas são autoescorvantes, sendo capazes de puxar a uma altura de até 9,8 metros. Dependendo do caso, a bomba deve ser posicionada acima do fluido, que será puxado para dentro do equipamento. Nesses casos, é ideal que o tubo de sucção deve ser o mais curto o possível. Dessa forma, você reduz o estresse do diafragma da bomba.

 

  • Sucção submersa: as bombas pneumáticas de diafragma podem atuar de forma submersa no fluido, mas antes disso, é imprescindível que todos os materiais e componentes sejam compatíveis com o fluido que está sendo bombeado. Além disso, a exaustão da bomba deve estar localizada acima do nível do fluido, garantindo que os fragmentos maiores que a capacidade não entrem no equipamento.

 

  • Sucção inundada: nos casos de sucção submersa, há pressão de fluido entrando na bomba, sendo que a linha central está abaixo do fluido bombeado. Nesse cenário, a bomba deve estar o mais próximo possível do reservatório do fluido, de forma a reduzir o comprimento da linha de sucção. Lembre-se de realizar o controle da pressão do fluido que entra na bomba, que deve ser menor que 10’ de pressão NPSHA. Para calcular essa pressão (NPSHA = pressão absoluta – pressão de vapor + carga estática – atrito) , é necessário saber:

 

  • A pressão absoluta sobre ou na superfície do fluido;
  • Cabeça estática (a distância vertical do topo da superfície até o olho do impulsor ou da linha central da bomba, quando forem equivalentes);
  • Pressão do vapor do fluido bombeado;
  • Cabeça de fricção.

 

Tamanho adequado das conexões da bomba

 

Todas as tubulações e acessórios utilizados na entrada e saída de fluidos devem ser proporcionais ao tamanho da bomba. Por exemplo: se você estiver utilizando uma bomba de 2”, as tubulações utilizadas devem ser de 2” ou maior. Quando a tubulação é menor, a circulação de fluido será restrita, reduzindo a durabilidade e a eficiência do fluxo do diafragma.

 

Filtragem e regulagem do ar comprimido
A qualidade do ar é um dos aspectos que mais afeta a durabilidade da bomba. Geralmente, o ar que é expelido pelos compressores de ar é sujo e não regulado, o que pode danificar e prejudicar a vida útil da sua bomba. Por essa razão, esse ar deve ser filtrado e regulado, o que vai proporcionar uma operação regular e eficiente.

 

Os filtros/reguladores de ar possuem um papel fundamental no desempenho das bombas pneumáticas de diafragma, garantindo que haja mais controle e precisão na remoção de agentes contaminantes (líquidos ou sólidos), ao mesmo tempo que controlam o fluxo de ar. Com isso, é possível contar com uma pressão controlada de ar limpo, reduzindo o tempo de inatividade por danos, e a necessidade de manutenção extra.

 

Se você não controla a pressão e o volume de ar, você pode prejudicar a eficiência da sua bomba, além de reduzir a sua durabilidade por conta da sobrepressurização, ciclos desnecessários e partidas prejudicadas.

 

 

Conte sempre com a Duplação, seu fornecedor confiável para bombas pneumáticas.  Entre em contato pelo telefone (48) 3438-8484 ou e-mail vendas@duplacao.com.br e fale com nossos especialistas.