Como escolher bombas pneumáticas de diafragma para aplicações sanitárias?

Como escolher bombas pneumáticas de diafragma para aplicações sanitárias?
Nas indústrias de processamento de alimentos, bebidas, e farmacêuticos, escolher uma bomba pneumática de diafragma é uma tarefa complexa. Isso porque, além da segurança física, é primordial garantir a segurança e a saúde dos consumidores. Para essa tarefa, é importante levar em conta alguns aspectos, como: tipo de fluido, viscosidade, vazão, pressão e temperatura.

 

Além disso, também é essencial considerar as certificações, o tipo de material e o processo de limpeza e manutenção. Quanto à sua designação e certificação, as bombas pneumáticas de diafragma de uso sanitário são divididas em dois tipos:

 

  • FDA: bombas que estão em conformidade com a FDA;
  • ATEX: bombas sanitárias que são certificadas de acordo com as normas sanitárias.

 

No caso das bombas FDA, elas são confeccionadas com materiais aprovados para uso frequente com alimentos (voltados para o consumo humano). Isso quer dizer que os alimentos e bebidas não serão contaminados pela bomba. É importante salientar que essa conformidade com a FDA não se trata de uma certificação, sendo que ela apenas fornece os parâmetros para a fabricação das bombas.

 

Nesse caso, é responsabilidade do fabricante garantir que os produtos e materiais utilizados estejam de acordo com as especificações da FDA, como as câmaras externas, coletores, válvulas de retenção, entre outros componentes.

 

Existe uma certificação terceirizada chamada EC 1935/2004, representada pelo símbolo de uma taça e um garfo, que significa que o produto foi testado em laboratório e não contamina e nem afeta a composição de bebidas e alimentos que entram em contato com a bomba. Muitos fabricantes já contam com essa certificação em seus produtos.

 

 

 

O que é uma bomba sanitária?

 

Diferentemente das bombas fabricadas em conformidade com a FDA que são frequentemente utilizadas no processamentos de bebidas e alimentos, as bombas sanitárias são superiores e  muito utilizadas na indústria farmacêutica, de cosméticos e laticínios. Por serem específicas, essas bombas contam com uma certificação de alto nível, como a 3A ou a EHENDGE.

 

Embora uma bomba sanitária esteja em conformidade com a FDA, as bombas FDA não são consideradas sanitárias. Essas bombas são fisicamente semelhantes, mas apresentam diversas diferenças técnicas.

 

Conheça mais no vídeo abaixo sobre as bombas de diafragma sanitária Graco:

 

Aplicável em outros tipos de bombas de diafragma pneumáticas, a conformidade ATEX apresenta um requisito mínimo e segurança para locais de trabalho e equipamentos utilizados em atmosferas explosivas. Isso significa que a bomba pode ser aterrada, o que é essencial quando são manipulados fluidos combustíveis.

 

Clique aqui e conheça mais sobre as bombas sanitárias Graco.

 

Materiais utilizados nas bombas sanitárias

 

O material mais comum para a fabricação de bombas sanitárias é o aço inoxidável 316 polido, mas também é possível encontrar bombas confeccionadas em alguns tipos de polipropileno. No caso de materiais leves, a FDA aprova PTFE, Nitrila (Buna-N), Santoprene, Hytrel ou EPDM. A escolha será realizada de acordo com as características do produto que será bombeado, como a composição química, abrasividade, temperatura, etc.

 

É imprescindível consultar o Guia de Compatibilidade Química do fabricante para garantir a segurança, durabilidade e confiabilidade da bomba antes de fazer a escolha. Igualmente importante, o Código de Regulamentos Federais da FDA, Título 21 (CFR 21), traz especificações de materiais que entram em contato com alimentos.

Clique aqui e confira o tabela de compatibilidade química com o Alumínio.

Clique aqui e confira o tabela de compatibilidade química com o Aço inoxidável – INOX.

Clique aqui e confira o tabela de compatibilidade química com o polipropileno.

 

Limpezas das bombas sanitárias

 

O processo de escolha do material das bombas sanitárias também deve levar em conta como será feita a limpeza e manutenção do equipamento. Na indústria alimentícia ou farmacêutica, é necessário seguir um protocolo conhecido como COP (Clean Out of Place), onde os operadores desmontam e higienizam o equipamento entre os lotes, sendo necessário contar com uma estrutura prática e que minimize o tempo de inatividade.

 

No caso do sistema de limpeza CIP, que é feito sem a desmontagem, é importante verificar junto ao fabricante qual o protocolo de limpeza correto para garantir a segurança do equipamento. Também é vital escolher materiais externos que sejam compatíveis com os métodos de lavagem e limpeza diária.

Clique aqui e conheça mais sobre os processo de limpeza CIP

 

 

Conte sempre com a Duplação, seu fornecedor confiável para bombas pneumáticas.  Entre em contato pelo telefone (48) 3438-8484 ou e-mail vendas@duplacao.com.br e fale com nossos especialistas.